segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Diz a lenda – Céu Azul




Por: Beto Ramos

Quando o galo canta
lá no São Sebastião,
acorda nossa cidade
com as músicas do nosso coração.


A Fina Flor do Samba estará fazendo apresentações especiais, numa viagem pelo tempo, para quem tem tempo de amar Porto Velho.
Depois de uns tragos no João Barril, a turma comandada pelo poeta da cidade, adentrará muito cheia de pompa no Céu Azul.
As noites de gafieira serão substituídas por uma noite de samba.
A Fina Flor do Samba será acompanhada pelo Adamor, Dico no Banjo, Long Play no saxofone, Capote no cavaquinho fazendo dupla com o Ney da Darcy Vargas.
- Atenção Zecatraka, vai ter mulata no samba, será a Bomba Atômica, Severina com sua cintura de parar qualquer quarteirão.
Não vai da para segurar o riso Zé Áureo!
Sem essa de inferninho!
O Mercado Cultural é só o ponto de partida para a nossa viagem pelo tempo!
- Atenção Sílvio Santos, Bainha, Mestre Oscar e Ney, a cachaça Cocal vai ser da melhor qualidade!
O Ênio como está viajando só participará da apresentação no Clube Internacional!
Do lado dos mocambos, a turma poderá comprar bolo de trigo, mingau, tacacá, café e pra quem desejar outras coisitas mais.
Podem dispensar aquele som sem grave e sem agudo, pois lá no Céu Azul não existirá a aparelhagem da discórdia.
Vai ser como começou no Mercado Cultural.
Samba nas mesas e com muita qualidade.
Serão apresentadas chamadas no Cine Catega!
- Atenção turma do Caiari, Arigolândia, Alto do Bode, Triângulo, Baixa da União, Mocambo, Areal, Favela, km 1, Santa Bárbara, todos estão convidados.
- Avisem a Mãe Esperança e Chiquinha Macacheira!
Já despachamos os despachos para quem deseja atrasar o nosso lado.
O ano de 2012 será uma viagem pelo tempo.
Muitas apresentações estão agendadas.
Basta ter tempo de amar Porto Velho.
Eu que não sou de ferro, vou tomar uma dose da cachaça Cocal, e ficar em silêncio esperando o trem passar no centenário da Estrada de Ferro Madeira Mamoré.

Obs.: O endereço do Céu Azul é Rua Prudente de Moraes com Almirante Barroso.

Diz a lenda

sábado, 7 de janeiro de 2012

Diz a lenda – Ingrato?




Por: Beto Ramos



A ingratidão é coisa dos fracos.
Os ingratos não possuem coração.
Você gostaria de ver um poeta sem coração?
Você gostaria de ver um poeta sem coração?
A ingratidão fica nas palavras.
Os ingratos não se escondem atrás do silêncio.
Você gostaria de ver um poeta sem versos?
Você gostaria de ver um poeta sem versos?
A ingratidão não existe entre os fortes.
Os fortes são puros por natureza.
Você gostaria de ver um poeta sem a pureza?
Você gostaria de ver um poeta sem a pureza?
A ingratidão não combina entre amigos.
Você gostaria de ver um poeta sem amigos?
Você gostaria de ver um poeta sem amigos?
A ingratidão é coisa dos fracos.

Diz a lenda

DUZENTOS E CINQUENTA EM QUATRO I

Os pesadelos não podem ofuscar nossos sonhos. Diante da inconsequência de quem resume a vida dos outros na sua prisão de lamentos, ...