sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Diz a lenda - Cazumbá

Por: Beto Ramos




Encontrei meu amigo Cazumbá, pensativo e soltando fogo pela venta.

Cazumbá sabe de tudo.

É parceiro do mosquito Karipuna.

Cazumbá está em todos os lugares.

Ele é o dia e a noite.

Alguém pegou a máscara do Cazumbá, e anda usando achando que vai se esconder.

Cazumbá é cheio de histórias e estórias.

Cazumbá esteve no velório do Buchudo, e viu quando certa senhora chegou chorando e foi dizendo:

- Meu amigo Buchudo, como você era especial!

- Agora quem vai preparar aquele peixe que só você sabia fazer?

- Que peixe gostoso!

Cazumbá andou dizendo por ai que em certo momento do choro desta certa senhora, ela foi dizendo:

- Adeus Buchudo! Como você era gostoso!

Bem, isto é conversa do Cazumbá.

Só sei dizer que em certo momento do velório do Buchudo, que por acaso era o meu pai, houve muitos sorrisos, com o finado Bedeco dizendo:

- Este Buchudo faz presepada até na sua morte!

Perguntei o motivo do fogo pela venta.

Ele já foi dizendo:

- Existe uma turma de asponei por ai que só resolve as coisas na terça feira.

- Mentiras, só na terça feira!

- Empurrar com a barriga, só na terça feira!

- Lembrar de quem colabora, nem na terça feira!

Cazumbá não foi para o Baile Municipal devido o desaparecimento de sua máscara!

E como Cazumbá só poderia comprar sua máscara na terça feira perdeu o baile que foi na sexta feira.

Cazumbá me ofereceu uma dose de cachaça.

- E foi sorrindo e dizendo:

- Só na terça feira!

Cazumbá é bom de conversa e vive dizendo que não é baú para guardar segredos.

O que ele falou ao meu ouvido, um dia conto para vocês.

Ele foi me dizendo:

- Este mosquito Karipuna é que sabe de tudo.

Andou voando lá pras bandas do Triângulo.

Voltou horrorizado.

Nem bomba de flit assustaria mais do que ele viu.

- E o que ele viu Cazumbá?

- Ai é que está o problema, não viu!

- O banzeiro que o progresso trouxe, já havia levado o barranco e algumas casas na margem do Madeira.

Cazumbá foi dizendo que já sabia que tudo isso aconteceria.

- É a tal compensação!

Como diz o Elizeu que não é Cazumbá:

- Covardes!

Cazumbá gosta de travessuras!

Mas, está sempre vigilante a tudo que acontece.



Depois tem mais!



Diz a lenda

DUZENTOS E CINQUENTA EM QUATRO I

Os pesadelos não podem ofuscar nossos sonhos. Diante da inconsequência de quem resume a vida dos outros na sua prisão de lamentos, ...