terça-feira, 21 de junho de 2011

Diz a lenda - Velho Pimentel

Por: Beto Ramos

O Zé Cachorro latindo no portão.
Alguém batendo palmas.
- Bom dia!
- Boas!
- O que o senhor deseja?
- Qual a sua graça meu filho?
- Beto Ramos!
- E a sua?
- Pimentel, Velho Pimentel!
- Estou precisando falar com você!
- O senhor deseja entrar?
- Não, obrigado, já moro no seu coração!
- Pode ser!
- Estou te procurando, pois andam perguntando por muitas coisas que poucos ainda lembram.
- Quem?
- Você mesmo!
- Talvez!
- Você poderia me levar no Café Santos, gostaria de ver o Bola Sete!
- Ou quem sabe você me leve para tomar um tacacá na D. Chiquinha!
O Zé cachorro latindo.
Estaria sonhando!
Eu com o Velho Pimentel!
Mas, ele continuou a perguntar.
- Depois você me leva lá na Rua da Palha, passa pelo Beco de Mijo e vamos passear na Baixa da União.
- Antes me leve no bar Central, depois no Internacional e se der tempo vamos ao Municipal.
- Como o senhor sabe de tudo isso?
- Eu sou a origem de tudo isso!
- Estou em você como estou na alma de muitos que caminham nas ruas do meu porto.
- Sim, deixe de prosa e me leve na ladeira do João Barril e no J. Lima.
- Estou muito interessado em ouvir o batuque lá em Santa Bárbara.
- Eu não posso!
- Claro que pode!
- Você não é quem diz a lenda?
- Sinceramente já não sei mesmo onde estou!
- Sabe sim!
- Você sabe onde anda o Beleza e o D. João, diz a lenda?
- O padre Lambretinha ainda anda por ai?
- acho que preciso acordar!
- Mas isto não é o seu sonho meu rapaz, é sua realidade!
- E o Pacato?
- O Cabo Lira e suas poesias?
- Alguém ainda vai à Tartaruga ou Maria Eunice.
- E a Taba do Cacique?
- Alguém se lembra do Babá?
- E o Manelão continua na Banda?
- Lembram do Meireles e Gainete?
- Vamos as Três Marias e conversar nas suas sombras.
- O que fizeram com o morro do Querosene?
- Como gostaria de lhe responder!
- Sabe, diz a lenda estou com vontade de passear no trem, ouvi dizer que alguns que estão por ai não pegaram nem mesmo o trem da história.
- Disseram-me que sua mãe quando começou a trabalhar, tomou posse num certo prédio abandonado na Ladeira Comendador Ceteno.
- Diga pra turma da ACRM que ta assim de gente conhecida participando das reuniões sem que eles percebam.
- Seu Pimentel, o que posso fazer?
- Apenas o que está fazendo, continue contanto histórias!
- Se somos histórias ou estórias são outros quinhentos.
- Sim, mas vamos ou não sair para dar um passeio no meu porto?
- Sei não!
- Acho que vou lhe convidar para ouvir o Bubu, o Ernesto, Dada, Silvio Santos, Bado, Binho, Bainha, Paulinho Rodrigues ou ver as pinturas da Rita Queiroz.
- Posso lhe levar no Mercado Cultural ou para conhecer a feira do porto.
- Pare com isso meu filho!
- Quero saber do meu porto de antigamente.
- Sabe seu Pimentel, o que é novo hoje, vai ser história amanhã!
- Talvez outro venha bater no portão do meu neto!
- E estes que lhe falei são os que sempre se lembram do seu porto de antigamente.
- Bem estou indo, pois ainda vou visitar muitos outros que precisam acreditar que a história de um povo e a sua identidade.
- Não se assuste se o Velho Pimentel bater em seu portão ou porta.
- Abra!
- Com certeza você estará abrindo o seu coração!

Diz a lenda

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DUZENTOS E CINQUENTA EM QUATRO I

Os pesadelos não podem ofuscar nossos sonhos. Diante da inconsequência de quem resume a vida dos outros na sua prisão de lamentos, ...