quinta-feira, 14 de abril de 2011

Diz a lenda – A Arte do Insulto

Por: Beto Ramos


Para começo de conversa, não valeria um centavo dar credibilidade ao tal Rafinha Bastos.
Ou seria o Dr. Inconsequência?
A beleza que ele procura não existe nem mesmo em sua personalidade.
Coisa pequena.
Medíocre.
O seu DVD a Arte do Insulto já diz tudo que precisamos entender.
Para o “New York Times”, este donkey é o mais influente no twiter.
Este tal stand-up já era apresentado por Chico Anisio antes do pai deste camarada nascer.
O Chico completa este mês oitenta anos.
E pelo que sabemos nunca diminuiu o terreiro deste imenso Brasil.
Precisamos apenas compreender que a beleza das nossas beradeiras e beradeiros encantam qualquer ser sensível que possua coração e não uma pedra fria dentro do peito.
Ofenças somente são engraçadas aos que pertencem a mesma estirpe.
O riso com certeza ficou um pouco triste com esta tal Arte do Insulto.
Como amo minha gente e todo este Brasil de meu Deus, apenas deixo vir aos meus lábios o meu sorriso.
Um sorriso não pela graça sem graça deste camarada.
Mas, um sorriso por saber que a beleza que ele tanto almeja, somente existe na sua inconsequência e palavras tão sem sentidos.
Amar Rondônia é a poesia mais bela para todos nós.
Ele não conhece com certeza o sorriso de nossas meninas.
Não poderia jamais entender a beleza das andorinhas de agosto.
Jamais ouviu os Tambores do Tracoá.
Ele precisaria ver para saber como é que andava o trem na Madeira Mamoré.
Porto Velho é o nosso dengo.
Porto é um velho porto cheio de recordações.
Com certeza nunca ouviu falar na beleza de Nazaré com o grupo musical Minhas Raízes.
Não conhece o Vale do Guaporé.
Nem viu os sorrisos do Bubu quando canta Serraria das onze horas.
Ele precisaria ver a beleza da Rita Queiroz com suas pinturas beradeiras.
Nem conhece as pastoras lá de Santa Bárbara.
Precisaria ver os sorrisos da nossa população ribeirinha quando come peixe com farinha.
Nunca viu a beleza das performaces do poeta Mado com o seu rosto pintado, demostrando a alegria de ser beradeiro.
Nunca viu com certeza a beleza das meninas dos bois bumbás de Gujará e Porto Velho.
Talvez nem saiba que existem pessoas lindas na festa do Divino Espírito Santo.
Quem daria algum centavo para o que diz este tal Rafinha Bastos?

Diz a lenda

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DUZENTOS E CINQUENTA EM QUATRO I

Os pesadelos não podem ofuscar nossos sonhos. Diante da inconsequência de quem resume a vida dos outros na sua prisão de lamentos, ...