terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Diz a lenda – O Poeta e Andorinha

Por: Beto Ramos



O que dizer de um amor que nasceu para ser eterno?

Onde ficaria a eternidade dentro dos nossos desejos de posse constante pelo ser amado?

Eterno amor!

Bendito seja o amor!

Amor da gente.

Amor de dias difíceis.

Amor de amarguras que vão sendo esquecidas com um perdão de quem ama de verdade.

O que dizer de um amor das andorinhas.

Amor que nasce e não pode morrer meio a um agosto ao gosto de destino.

Bendito seja o amor de todos os dias.

Amor de gostos diferentes

De cores diferentes.

Amor de cheiros diferentes.

Existiriam iguais num mesmo amor?

O amor torna-se uma história.

A história de um amor são páginas escritas pela vida.

Saber viver é uma prova de amor.

Bendito seja o amor.

O amor de lágrimas de saudades.

O amor de um silêncio profundo que diz tudo quando o amor é verdadeiro.

O que dizer de um amor que nasceu para ser eterno?

O amor verdadeiro é escrito nas estrelas.

Para o ser amado existe apenas um céu.

Um céu particular.

Um céu com estrelas de todas as cores, de gostos diferentes.

Mas, este céu necessita possuir uma estrela que ofusca com seu brilho a luminosidade de todas as outras estrelas.

Esta estrela chama-se perdão.

Neste céu particular que existe em todos nós, podem existir milhões de estrelas com palavras cheias de carinho.

Mas, se não houver este brilho do perdão o que importaria o amor.

Bendito seja o amor!

O amor de duas vidas cheias de céus.

Tornando-se um só coração, o amor faz nascer todos os dias a esperança de que vale tudo para se manter um grande amor.

Deixem voar as andorinhas em suas vidas.

Bendito seja o amor!

O amor do carinho, do cuidado.

Mas, muito cuidado para não sufocar o amor.

O amor também precisa respirar.

Amor de poeta possui asas na inspiração.

E poeta quando possui uma musa, para sempre os seus versos serão da pessoa amada.

Viva o amor!

Só amor une duas pessoas especiais.

No amor de verdade é preciso exorcizar os sofrimentos passados por amor.

Bendito seja o amor!

O amor de duas vidas que se tornariam estranhas sendo divididas.

Viva o amor!

No amor a dor vai ensinando a gente.

E para não sofrermos é preciso amar para que a dor seja apenas inspiração para lindas canções do poeta para sua andorinha de agosto.



Diz a lenda

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DUZENTOS E CINQUENTA EM QUATRO I

Os pesadelos não podem ofuscar nossos sonhos. Diante da inconsequência de quem resume a vida dos outros na sua prisão de lamentos, ...