quarta-feira, 3 de novembro de 2010

PÁSSAROS ERRANTES

Vi alguns pássaros sem asas querendo voar.

Encontrei no caminho, alguns pássaros que não poderiam cantar.

Dentro dos nossos mundos não existem gaiolas.

Mas, quando os pássaros ficam livres, insistem em não cantar.

Vi alguns pássaros com olhos de fogo.

Alguns pássaros que ficam a nos observar.

Pássaros tristes, que desejam nos devorar.

Vi alguns pássaros que não voariam no passado e nem agora.

Pássaros sem futuro.

Estes pássaros nos assustam com seus olhos de fogo.

São aves de rapina querendo ser uirapuru.

Vi alguns pássaros que insistem em nos trazer o mar.

Pássaros que não conhecem nem mesmo o nosso Rio Madeira.

Vi alguns pássaros que desejam devorar as andorinhas de agosto.

Pássaros que não sabem o que é o nosso Porto Velho porto recordações.

Vi alguns pássaros que não conhecem quem é da sete de setembro lá do km 01.

Pássaros que não sabem nem mesmo o horário da serraria das onze horas.

Vi alguns pássaros sem cor alguma.

Que não conhecem as nossas ruas.

Que nunca entraram no Mocambo.

Estes pássaros não conhecem as nossas almas.

Eles nos assustam com seus olhos de fogo.

Vi alguns pássaros querendo nos ver chorar.

Pássaros tristes que insistem em nos culpar por suas tristezas.

Dentro dos nossos mundos não existem gaiolas.

Vi alguns pássaros querendo fazer a mesma destruição da Baixa da União pelos generais.

Pássaros armados com suas incoerências.

Vi alguns pássaros loucos.

Que ficam no mais alto galho de uma árvore seca.

Apenas vi alguns pássaros.

Pássaros estranhos que não sabem o que é cultura.

Vi alguns pássaros cheios de razão.

Estes pássaros querem brigar.

Estes pássaros não vão compreender para crescer.

Vi alguns pássaros sem poesias, canções e comprometimento com a história.

Estes pássaros desejam asas para voar.

Dentro dos nossos mundos não existem gaiolas.

Vi alguns pássaros sem mundo, sem voz alguma para serem os donos da voz.

Nos nossos olhos existe luz.

O fogo dos olhos destes pássaros vai apagar.



Diz a lenda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DUZENTOS E CINQUENTA EM QUATRO I

Os pesadelos não podem ofuscar nossos sonhos. Diante da inconsequência de quem resume a vida dos outros na sua prisão de lamentos, ...