segunda-feira, 16 de agosto de 2010

19 anos de felicidades


AS ANDORINHAS DE SÃO SEBASTIÃO




17 de agosto de 2010 - 19 anos de casamento do poeta da cidade Ernesto Melo e Erenir.




Um só coração diante de um amor eterno.

Assim brilham os olhos de Erenir e Ernesto Melo.

Uma história de amor escrita no voo das andorinhas.

Vindo num raio de sol, o amor se revela um alivio para qualquer solidão.

Acariciando o rosto de quem se ama, o amor fez morada em suas vidas.

Ai ardido peito queira entender o teu segredo de amar...

E o amor é tudo isso. Um compromisso para que o amanhã torne-se eternidade.

E este amor é uma canção, um verso, uma palavra, um sorriso.

Existiria poeta sem a musa inspiradora ?

A musa inspiradora é a razão de ser do poeta.

O poeta, o coração da musa inspiradora.

O amor não se explica, vive-se o amor com intensidade.

E esta intensidade dura dezenove anos.

Um amor intenso que formou uma família feliz.

Um amor intenso cheio da esperança de felicidade.

Um amor intenso é vivido para se conquistar a pessoa amada todos os dias.

São beijinhos e abraços não importando a hora, o dia ou o lugar para se demostrar o amor.

Um só coração diante de um amor eterno.

Quando se ama de verdade, dois corações se tornam um só coração.

O amor são sensações compartilhadas em sentimentos diversos de alegria e tristeza.

Juntos no amor, um casal feliz se torna mais forte.

E a força de amar está escrita em dezenove anos vividos intensamente compartilhando o amor.

Quando se abrem as portas do mistério, os olhos de Erenir e Ernesto Melo se encontram com o brilhos dos seus corações.

E que este amor dure para sempre.

Intenso e eterno.

O amor não se explica, vive-se um grande amor.

Tu estavas tão sozinha naquela tarde de agosto.

Mas, no voo das andorinhas o amor veio e fez morada no teu coração.

Valei-me São Sebastião poeta!

Que bom que hoje o poeta encontra o prazer de cantar.

Que o amor seja eterno em suas vidas.




DIZ A LENDA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DUZENTOS E CINQUENTA EM QUATRO I

Os pesadelos não podem ofuscar nossos sonhos. Diante da inconsequência de quem resume a vida dos outros na sua prisão de lamentos, ...