quinta-feira, 22 de julho de 2010

SEM TEXTO

Chegou
em silêncio,
os olhos
cheios de brilho.

Chegou
sem voz,
bem vestido.
Uma majestade
de passos lentos,
sorriso largo.

Chegou
em silêncio
querendo abrir o bar.

Chegou
junto com o tempo,
que passou
e marcou nossas vidas

Chegou para ficar.
Em silêncio olhou a todos nós

Sorriu,
tomou alguma coisa,
pegou a viola
e cantou.

As estrelas dançaram no céu,
a noite se iluminou,
e sua majestade o samba
pediu passagem,
sentou e ficou em silêncio.

Observou o nosso terreiro,
e não se envergonhou
pois voltou a sorrir

Depois chegaram tantos outros e
sua majestade ali imponente,
sem fazer barulho algum.

A todos observava
em silêncio,
com olhos cheios de brilho
com aquele sorriso cheio de ternura,
deixou sobre nós
o seu manto.

Levantou-se,
estendeu a mão,
acenou,
despediu-se,
em silêncio permaneceu.


Novamente seus passos lentos,
olhou para todos
e partiu.
Então fomos abençoados
pelo samba
que fez morada em nossos corações.



Beto Ramos

21/07/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DUZENTOS E CINQUENTA EM QUATRO I

Os pesadelos não podem ofuscar nossos sonhos. Diante da inconsequência de quem resume a vida dos outros na sua prisão de lamentos, ...