quinta-feira, 22 de julho de 2010

ATUALIZANDO O REAL

O Mané ouviu a canção
O Mané perdeu a emoção
O Mané que não soube calar
E falou
E falou
O que queria sem pensar
O Mané foi o opressor
E o oprimido cantou
Cantou a sua melodia
Naquele prisma luminoso
Você precisa ver, para sabe como é, que andava o trem da Madeira Mamoré
Andava o trem e não precisava do Mané
Obrigado Mané
Pelas considerações
As suas palavras trazem inspirações
Para dizer
Que falar demais é coisa de Mané
E você sabe que na verdade só pode existir um Mané
O que fala demais
O que fala demais
O que fala demais

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DUZENTOS E CINQUENTA EM QUATRO I

Os pesadelos não podem ofuscar nossos sonhos. Diante da inconsequência de quem resume a vida dos outros na sua prisão de lamentos, ...